Cleber Fogaça

No inicio dos anos 90 inicia seus estudos no violão e na guitarra. Posteriormente se aproxima do contrabaixo elétrico e começa a atuar como músico na noite acompanhando cantores, cantoras e excursionando com bandas de baile nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Paraná. 


Nesta época passa a ter aulas particulares com o mestre Sérgio Frigério ingressando no curso de MPB/JAZZ do Conservatório de Tatuí, onde teve a oportunidade de estudar com Paulo Braga, Paulo Flores, Fernando Corrêa, Mario Campos, Sergio Frigério, Amador Longhini, Alexandre Bauab, entre outros.
Em 2002 funda junto com o guitarrista/violonista Fabiano Marchesini e o bandolinista Cleber “Carrapicho” Rangel a “Escola Livre de Música Araraquara” com a finalidade de transmitir os ensinamentos absorvidos no Conservatório de Tatuí.


Em 2003 formam junto com o baterista Marquinhos Fróco o grupo de música instrumental brasileira Batucada Brazuca com o qual participa dos principais festivais de música instrumental do estado de São Paulo com destaque para: “1ª Mostra Brasil Instrumental” (Tatuí/2004), com a inclusão da música “Folia Brasileira” de sua autoria no CD do festival; “1º e 2º Chorando Sem Parar” (São Carlos 2004/2005); “1ª Mostra Internacional de Música Instrumental” (SESC Araraquara/ 2005), onde além do show, apresentou com o grupo a oficina “Rítmicas, Harmonias e Melodias da Música Brasileira”; “Jam SESC” SESC Villa Mariana (São Paulo/ 2005) e “2º Festival Instrumental de Guarulhos” (2008). 


Nestes festivais teve a oportunidade de dividir o palco com nomes como: Hermeto Pascoal, Hamilton de Holanda, Altamiro Carrilho, Paulo Belinati, Isaías do Bandolim, Toninho Ferragutti, Nailor Proveta, Nicolas Krassik, Orquestra Jazz Sinfônica, Sandro Haick, Zé Barbeiro, entre outros.


Em 2003 se forma no Conservatório de Tatuí.
Em 2004 participa do espetáculo “O Nobre do Jazz: Duke Ellington” e em 2005 do espetáculo “50 Anos Sem Charlie Parker” ambos promovidos pelo SESC Araraquara.
Em 2008 passa a ministrar aulas no Projeto Guri nas cidades de São Carlos e Rincão.


Em 2009 inicia o seu trabalho autoral com o Cleber Fogaça Quarteto contando o bandolinista Elói Brito, o guitarrista Oliver Kofi e o baterista Beto Figueiredo. Em 2010 gravam um EP com seis faixas sendo três de autoria de Cleber e três releituras. Com o quarteto participa da “7ª Mostra Internacional de Música Instrumental” (SESC Araraquara 2011), do Edital de Chamamento do SESI Franca (2011) e SESI São José do Rio Preto (2012), neste último com o show “Jobim de Todas as Bossas” em homenagem a Tom Jobim, além de várias apresentações pelo interior paulista em casas noturnas e eventos culturais. Também em 2009 inicia o curso de graduação em Pedagogia pela UNIP obtendo o diploma em 2012.

Em 2010 participa do “10º Festival de Ourinhos” onde teve a oportunidade de tocar em apresentações e “jam sessions” com Nailor “Proveta” de Azevedo, Daniel D’Alcântara, Fabio Leal e Sizão Machado, além de participar de cursos ministrados pelos mesmos.
Em 2013 participa ao lado de Fernando Corrêa, Vinicius Dorin, Sidnei Borgani e Nelton Essi do show “Projeto Guri 18 Anos” na cidade de Rio Claro.


Em 2014 grava seu primeiro álbum intitulado “Trilhando”, com sete músicas instrumentais inéditas e de sua autoria. O disco conta com Fernando Corrêa nas guitarras, Vinícius Dorin no sax, Paulo Almeida na bateria e Cleber nos baixos elétrico e acústico. O álbum foi lançado no início de 2015 com distribuição mundial no formato física e digital pela Tratore e divulgação nas rádios Uniara FM de Araraquara e Éparana de Curitiba nas quais Cleber concedeu entrevistas para divulgação do mesmo.


No inicio de 2014 forma o Trio Zabumbê com o guitarrista Fabiano Marchesini e o baterista Beto Figueiredo, junto com o trio participou do Festival de Inverno de Jaú (2015) com participação especial do saxofonista Vinícius Dorin, onde tocou também com o guitarrista Michel Leme e o baterista Cuca Teixeira na jam sessions de encerramento e do II Festival Cultural de São Manuel (2015) onde o trio também executou um workshop para os participantes do festival. O trio também atua deste de janeiro de 2014 no projeto "Quintas Instrumentais", projeto quinzenal em parceria com o Pub Arte e Bola que tem como principal meta divulgar a música instrumental brasileira e o jazz ao público de Araraquara e região além de ser ponto de encontro de músicos e apreciadores destes estilos.


Cleber também gravou e participou da gravação de diversos álbuns com destaque para o CD “#1” (2006) da banda de rock Adrenalados, o CD “The Justice Man” (2007) e “41” (2012) do cantor e guitarrista de blues James “Jimmy Red” Marshall, o CD “Keep Rock in...” (2008) do guitarrista de rock instrumental Cleber Shimu, o CD “Ruído Fino” da banda de pop Ruído Fino (2012), entre outros.